A organização internacional Litro de Luz que atua em mais de 20 países, inclusive no Brasil, realiza ações para a democratização do acesso à energia elétrica limpa em comunidades locais que não possuem luz ou o acesso à ela. Em uma de suas ações, na Aldeia Mata Verde Bonita (Tekoa Ka’Aguy Ovy Porã), localizada em Maricá no Estado do Rio de Janeiro,  a organização desejava a realização de um projeto para tornar o evento ainda mais sustentável.

Assim, o papel desempenhado pela Âmbar Consultoria Ambiental Jr. foi o de viabilizar a  Neutralização de Carbono, atuando como uma ferramenta de educação e engajamento da comunidade e voluntários participantes quanto as mudanças climáticas. Além disso, o de compensar os impactos gerados no meio ambiente pela emissões de gases de efeito estufa, uma das grandes emergências ambientais da atualidade. 

O projeto inicialmente realizou uma análise das dinâmicas do evento que ocorreu na comunidade indígena e mapeou as principais fontes potenciais de emissão de gás carbônico, entre elas: 

  • Combustíveis fósseis gerados pelo transportes usados dos participantes, palestrantes e organizadores do evento;
  • Resíduos gerados como baterias usadas nas soluções do Litro de Luz (lampião ou poste de luz) e os descartáveis utilizados nas refeições.

Após o levantamento das principais vertentes de emissão, realizou-se uma série de cálculos para determinar os fatores de conversão em carbono equivalente, para assim ser quantificado o impacto de emissões geradas de cada atividade  e contabilizar quantas mudas seriam necessárias para a neutralização total.  

A pegada de carbono de cada indivíduo determinou o processo de plantio foi cuidadosamente estudado pelos membros da Âmbar do curso de Biologia da UFRJ, buscando plantas nativas que fossem proveitosas à comunidade indígena, como desejado pela mesma, e se adequassem ao ambiente de restinga, ecossistema costeiro associado ao bioma Mata Atlântica, que costuma ter algumas particularidades específicas que limitam a quantidade de espécies vegetais adaptadas se comparado ao ecossistema de uma floresta tropical típica. 

Dessa forma, em parceira com o Projeto de Extensão CASA da UFRJ, 9 mudas de jenipapo (Genipa americana) e 7 mudas de pitanga (Eugenia uniflora) foram solicitadas, e seus plantios contando com a presença de alguns membros da equipe do projeto nesse experiência agregadora. Ambas possuem fins de alimentação com o adicional de o jenipapo ser utilizado na pintura corporal para atividades culturais. 

O desenvolvimento social empregado pela Litro de Luz é fonte de inspiração para todos aqueles que acreditam em vivências sustentáveis e democráticas, inclusive para os membros da Âmbar Consultoria Jr. A troca construtiva entre as organizações e a comunidade indígena foram enriquecedoras.  Para conhecer mais sobre a atuação da instituição clique aqui. 

Pessoas Envolvidas

Gerente  do Projeto: Ana Carolina Resende 

Assessor do Projeto: Bernardo Souza

Equipe do Projeto: Bruno Magno, Fernanda Fidalgo, Maria Eduarda Moreno e Yuri de Castro

Professor Orientador: Márcio D’Agosto

Cliente: Litro de Luz Brasil